Concessionária Kawasaki Chapecó, Santa Catarina

Concessionária Kawasaki em Chapecó. Conheça lojas de motos em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes.

Moto A
(49) 3322-5461
Rua Vitório Cella 141 E
Chapecó, Santa Catarina
 
Four Motors
(49) 3329-7167
Rua Paulo Pasqualli 156
Chapecó, Santa Catarina
 
Chiva Motos
(49) 3452-1619
Rua Herculano Hercules Zanuzzo 146
Seara, Santa Catarina
 
As Moto Peças
(49) 3324-4691
Rua Tapajós 596 D
Chapecó, Santa Catarina
 
Bertotti Veículos Ltda
(49) 3323-5026
av Osório,Gal - D, 1231, D, Centro
Chapecó, Santa Catarina

Dados Divulgados por
Motos Já
(49) 3323-6805
Rua Uruguai 383 D
Chapecó, Santa Catarina
 
Braz Motos
(49) 3322-4088
Avenida Coronel Licínio de Córdova 504 D
Chapecó, Santa Catarina
 
Moto Point
(49) 3323-5648
Avenida Getúlio Dorneles Vargas 1510 N
Chapecó, Santa Catarina
 
Star Motos
(49) 3328-6194
Rua Princesa Isabel 1800 E
Chapecó, Santa Catarina
 
Brunauto Veículos Ltda Me
(49) 3322-0729
r Paulo Marques, 89, Sl 1, Centro
Chapecó, Santa Catarina

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

LANÇAMENTO: NINJA ZX-10R 2011 NO BRASIL

A Kawasaki Motores do Brasil apresenta ao mercado brasileiro o modelo 2011 da Ninja ZX-10R. Dona de um desempenho potencial derivado da tecnologia desenvolvida para os modelos de competição, a superesportiva apresenta alterações significativas. As principais foram no design e a incorporação do controle de tração S-KTRC (Controle de Tração Esportiva Kawasaki).

A Kawasaki Ninja ZX-10R versão 2011 importada chega às concessionárias autorizadas até a segunda quinzena de abril. Além disso, o modelo passará a ser produzido na fábrica de Manaus (AM) no segundo semestre deste ano. O Brasil será o primeiro país a produzir a Ninja ZX-10R fora do Japão, numa demonstração da confiança da matriz na subsidiária brasileira. O preço público sugerido do modelo nacionalizado, R$ 59.990 (frete não incluso), será praticado imediatamente, inclusive para o modelo importado.

Mesmo com visual modificado, a máquina ainda manteve as características presentes em todas as motocicletas da marca: a elegância e a robustez. A Ninja ZX-10R 2011 traz em sua carenagem adereços mais arredondados, ante os pontiagudos do anterior. Além disso, a parte frontal também ganhou atenção especial dos engenheiros. Os faróis foram redesenhados, dando ao modelo um ar mais harmonioso. Outra mudança foi a integração de uma lâmpada do tipo LED (3 Bulbos) posicionada acima da entrada de ar, que foi ampliada para melhorar o fornecimento de ar ao motor. O painel de instrumentos também foi alterado. Agora, o conta-giros está equipado com barras indicadoras em formato de arco – algo inédito nos modelos superesportivos. Há também no display multifuncional a opção de dois modos de pilotagem: Race e Standard, que altera a posição do velocímetro e também do indicador de marchas.

A superbike conta ainda com uma série de novas tecnologias visando a esportividade, como o controle de tração S-KTRC. Este novo mecanismo oferece ao piloto três modos de uso: esportivo, esporte-urbano e uso em piso molhado. Deste modo, o sistema monitora a condição de aceleração do motor e as rotações das rodas, impedindo que a roda traseira perca o contato com o solo e ocasione a perda do controle da motocicleta. Outra inovação tida como um dos diferenciais da Ninja ZX-10R 2011 é o moderno Power Mode (modo de potência), composto por três fases: Full, Midle e Low.

A motocicleta é equipada com motor de 998cc, quatro cilindros em linha, que ganhou alguns cavalos a mais. Desenvolvido nas pistas de corrida, o propulsor entrega 201 cv de potência máxima a 13.000 rpm com um torque de 11,4 kgfm a 11.500 rpm (o modelo 2010 apresentava 188 cv a 12.500 rpm). O novo layout do motor permitiu que houvesse uma união singular com a transmissão, o que elevou a precisão nas trocas de marchas, principalmente quando o assunto é alta performance. A transmissão tipo Cassete teve sua relação reduzida na 4ª, 5ª e 6ª marchas, melhorando o desempenho da Ninja ZX-10R em pistas.

Os engenheiros da Kaw...

Clique aqui para ler este artigo no Revista Pró Moto